Projeto Fortaleza Cidade Amiga do Idoso é tema de trabalho acadêmico

Categorias

Compartilhar

Por Julyanna Santos 16/12/2020

A iniciativa exitosa do Projeto é destaque em monografia que analisa a pluralidade da velhice 

Daniele Ribeiro Alves, assistente social e socióloga, foi a orientadora da estudante Bárbara Araújo.

Compreender o processo de envelhecimento, suas nuances e peculiaridades, ouvindo os idosos atendidos pelo Projeto Fortaleza Cidade Amiga do Idoso e, a partir daí, na simbiose  das teorias sobre o envelhecer e os exemplos práticos, a conclusão de que investir em empreendimentos que visam promover o bem-estar da população idosa, são fundamentais para uma sociedade mais justa e feliz.

Esse é o escopo do trabalho da estudante Bárbara Araújo, 22, concludente do Curso de Serviço Social, da Faculdade Maurício de Nassau – Uninassau, que ouviu, ao longo da sua pesquisa, 8 idosas beneficiadas pelos mais diferentes eixos do Projeto Fortaleza Cidade Amiga do Idoso.

O trabalho, orientado pela Professora Daniele Alves, foi apresentado, dia 17 de dezembro, para banca de especialistas. Durante a defesa, Daniele, que ministra a disciplina do Trabalho de Conclusão de Curso, falou sobre a  importância deste tipo de debate dentro da Academia: “as pesquisas nessa área têm o poder e a missão de desmitificar a velhice, romper com os estereótipos, entendendo que a velhice é uma grande e importante etapa de transformação. Além disso, outro fator a ser considerado, é a existência de marcadores sociais que determinam as especificidades dessa fase: cor, raça, gênero, por exemplo. Então, essas pesquisas podem contribuir para quebra do caráter discriminatório, e, também, para ampliar a compreensão da multiplicidade desse processo.”

A aluna apresentou seu trabalho de maneira virtual devido as restrições impostas pela pandemia

Traçando paralelos, o trabalho investiga os diferentes aspectos da velhice e busca entender as repercussões sociais desse processo marcado por estigma, tabus e, infelizmente, descaso. “Eu quis enxergar, entender, deslocar do lugar-comum as percepções sobre essa fase. Não podemos entender a velhice como um estágio de doenças, sofrimentos, tristezas, mas como um momento de colheitas, de alegria, de plena atividade. Percebi que o Projeto Fortaleza Cidade Amiga do Idoso proporciona uma vida ativa para os idosos; uma nova e bonita perspectiva.”, pontuou Bárbara. O trabalho tirou nota máxima e foi saudado pelos especialistas convidados.

Bárbara pretende, agora formada em Serviço Social, ampliar seus estudos sobre a velhice para outros níveis acadêmicos.