Medicação para a pessoa idosa: cuidados e orientações

Categorias

Compartilhar

Por Julyanna Santos 01/02/2021

O brasileiro tem um péssimo hábito comum: 77% se automedicam. Sem buscar orientação profissional, sem informações embasadas e sem entender a gravidade de tomar medicamentos por conta própria, a população coloca em risco sua saúde, justamente o contrário do que pretende, quando compra medicamentos.

Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, em 2019, constatou que 22% dos entrevistados que utilizaram medicamentos nos últimos seis meses tiveram dúvidas, mesmo em relação aos medicamentos prescritos, principalmente no que diz respeito à dose (volume e tempo) e a alguma contraindicação contida na bula. Esses dados apontam para importância da informação de qualidade.

André Cavalcante, farmacêutico pós-graduado em prescrição farmacêutica e farmácia clínica e Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Ceará,

André Cavalcante, farmacêutico pós-graduado em prescrição farmacêutica e farmácia clínica e Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Ceará, alerta para os riscos: “a utilização de medicamentos que não fazem o efeito ideal, como orientado pelo médico, podem causar reação adversa; em alguns casos, grave. O uso irracional deve ser combatido.”

No caso da pessoa idosa, é ainda mais delicado. Em entrevista ao Portal Fortaleza Cidade Amiga do Idoso, André Cavalcante, alerta: “é comum que idosos administrem mais de um medicamento; a combinação equivocada pode ser danosa ao paciente. Por isso, durante a consulta, tire todas as dúvidas com o médico. Se ao chegar à farmácia, as dúvidas continuarem ou outras surgirem, converse com o farmacêutico, único profissional capaz de auxiliar neste momento, evitando o uso em excesso ou sem necessidade, o surgimento de interações e/ou efeitos colaterais.”

Durante a consulta médica, algumas perguntas são importantes:

  • Qual a dose (quantidade) a ser utilizada em cada tomada?
  • Quantas vezes ao dia deverá usar cada dose?
  • Por quanto tempo deve usar o medicamento?
  • Quais os horários para utilizá-los?
  • Como tomar? Com alimentos ou não, antes ou depois de refeições etc.

O Projeto Fortaleza Cidade Amiga do Idoso vai te dar algumas dicas para organizar melhor sua rotina de medicamentos:

  • Tome o medicamento como prescrito: não pule e nem acumule doses. Se está com dúvidas sobre o quanto um medicamento pode fazer bem ou não, converse com um profissional qualificado e evite ouvir terceiros;
  • Em nenhuma hipótese decida por si abandonar o tratamento sem acompanhamento e orientação de um especialista, ainda que você esteja se sentindo melhor;
  • Mantenha a lista dos medicamentos visível: anote o que você está tomando e quais são os horários de cada medicamento. Mantenha uma lista com você e outra em casa, a vista de todos;
  • Anote por que você está tomando cada medicamento, caso tome mais de um, a dosagem (por exemplo, 300 mg), e quantas vezes você precisa tomar por dia;
  • Faça o acompanhamento periódico necessário com seu médico:  É preciso reavaliar se o medicamento é a melhor opção para o paciente e rever horários, a frequência com que o paciente tomará aquele medicamento e a dosagem;
  • Esteja ciente das potenciais interações medicamentosas e efeitos adversos que um medicamento pode trazer: algumas pessoas são alérgicas a alguns medicamentos ou a substâncias que o compõem e ainda não conhecem. Se conhecerem, poderão conseguir gerenciar um possível evento adverso com mais facilidade.