Especialista ensina a hora certa de procurar um médico ao sentir dor de cabeça

Categorias

Compartilhar

Sentir dor de cabeça é, infelizmente, algo muito comum. “Mais de 70% da população brasileira sofrem desse problema com frequência”, afirma Diana Lara Pinto Santana, neurocirurgiã da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. O que não é comum, nem normal, é quando a dor ultrapassa certos limites. E aí vem a questão: como identificar se já chegou o momento de deixar de lado a automedicação e procurar um especialista?

“Ela é preocupante quando não melhora com o uso de analgésicos, quando a frequência aumenta e chega diferente do padrão habitual, surge intensa e de repente ou vem acompanhada de sintomas como alterações visuais, de força e de sensibilidade, convulsões, febre alta, perda de peso, vômito e rigidez de nuca, desmaio e confusão mental”, avalia a neurocirurgiã. São inúmeras as situações que, segundo ela, podem ser preocupantes. Porém, antes de se desesperar é preciso entender melhor a origem da dor.

Notícias, matérias e entrevistas sobre tudo o que você precisa saber. Clique aqui e participe do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade!

Na prática clínica, a dor de cabeça pode ser primária, ou seja, quando não é o sintoma de alguma alteração sistêmica ou encefálica do organismo, ou secundária, caso em que é um sintoma de uma outra condição que o paciente apresenta. “Frequentemente ela pode acontecer em casos de infecções, abuso de álcool, doenças sistêmicas, períodos de jejuns, alterações das estruturas faciais e cervicais, transtornos psiquiátricos, dentre outros muitos fatores”, explica Diana.

Mas quando o paciente com dor de cabeça deve buscar ajuda médica? “Além de avaliar as características relatadas pelo paciente, o neurologista fará um exame neurológico e, se necessário, também solicitará outros exames para orientar sobre o tratamento ideal”, explica a neurocirurgiã.

Dicas para aliviar a dor de cabeça sem medicamentos
Se a dor de cabeça é primária, fica mais fácil de cuidar sem o uso de remédios. Segundo a neurocirurgiã da BP, é possível tentar aliviar a cefaleia sem tomar medicamentos seguindo dicas simples:

1. Evite fatores desencadeantes de dor
Há algumas situações que colaboram para o surgimento da dor de cabeça, como, por exemplo, longos períodos de privação de sono, excesso ou falta de alimentação (jejuns), estresse, abuso de cafeína e abuso de álcool.

2. Reduza o consumo de doces
O chocolate é um alimento que pode desencadear dores de cabeça, assim como alimentos que contém muito açúcar e gordura. Então, reduza o consumo quando a dor aparecer.

3. Diminua a luz e o som ao redor
Durante os períodos de dor, é preciso deitar-se em um local sem muita iluminação, que seja fresco e livre de barulho. Isso poderá melhorar e aliviar a dor.

4. Faça alguma atividade física
A atividade física melhora muito a qualidade de vida, além de melhorar a saúde de forma geral e diminuir o nível de estresse. Exercício físico é um fator de alívio importante para a dor de cabeça. A neurocirurgiã da BP recomenda alongamento, meditação e acupuntura, que aliviam muito os fatores desencadeantes da dor de cabeça e a própria dor em si.

Fonte: www.institutomongeralaegon.org