Sentir dor de cabeça é, infelizmente, algo muito comum. “Mais de 70% da população brasileira sofrem desse problema com frequência”, afirma Diana Lara Pinto Santana, neurocirurgiã da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. O que não é comum, nem normal, é quando a dor ultrapassa certos limites. E aí vem a questão: como identificar se já chegou o momento de deixar de lado a automedicação e procurar um especialista?

“Ela é preocupante quando não melhora com o uso de analgésicos, quando a frequência aumenta e chega diferente do padrão habitual, surge intensa e de repente ou vem acompanhada de sintomas como alterações visuais, de força e de sensibilidade, convulsões, febre alta, perda de peso, vômito e rigidez de nuca, desmaio e confusão mental”, avalia a neurocirurgiã. São inúmeras as situações que, segundo ela, podem ser preocupantes. Porém, antes de se desesperar é preciso entender melhor a origem da dor.

Notícias, matérias e entrevistas sobre tudo o que você precisa saber. Clique aqui e participe do grupo de Whatsapp do Instituto de Longevidade!

Na prática clínica, a dor de cabeça pode ser primária, ou seja, quando não é o sintoma de alguma alteração sistêmica ou encefálica do organismo, ou secundária, caso em que é um sintoma de uma outra condição que o paciente apresenta. “Frequentemente ela pode acontecer em casos de infecções, abuso de álcool, doenças sistêmicas, períodos de jejuns, alterações das estruturas faciais e cervicais, transtornos psiquiátricos, dentre outros muitos fatores”, explica Diana.

Mas quando o paciente com dor de cabeça deve buscar ajuda médica? “Além de avaliar as características relatadas pelo paciente, o neurologista fará um exame neurológico e, se necessário, também solicitará outros exames para orientar sobre o tratamento ideal”, explica a neurocirurgiã.

Dicas para aliviar a dor de cabeça sem medicamentos
Se a dor de cabeça é primária, fica mais fácil de cuidar sem o uso de remédios. Segundo a neurocirurgiã da BP, é possível tentar aliviar a cefaleia sem tomar medicamentos seguindo dicas simples:

1. Evite fatores desencadeantes de dor
Há algumas situações que colaboram para o surgimento da dor de cabeça, como, por exemplo, longos períodos de privação de sono, excesso ou falta de alimentação (jejuns), estresse, abuso de cafeína e abuso de álcool.

2. Reduza o consumo de doces
O chocolate é um alimento que pode desencadear dores de cabeça, assim como alimentos que contém muito açúcar e gordura. Então, reduza o consumo quando a dor aparecer.

3. Diminua a luz e o som ao redor
Durante os períodos de dor, é preciso deitar-se em um local sem muita iluminação, que seja fresco e livre de barulho. Isso poderá melhorar e aliviar a dor.

4. Faça alguma atividade física
A atividade física melhora muito a qualidade de vida, além de melhorar a saúde de forma geral e diminuir o nível de estresse. Exercício físico é um fator de alívio importante para a dor de cabeça. A neurocirurgiã da BP recomenda alongamento, meditação e acupuntura, que aliviam muito os fatores desencadeantes da dor de cabeça e a própria dor em si.

Fonte: www.institutomongeralaegon.org

MATÉRIAS RELACIONADAS

logo

Contato

E-mail:
[email protected]
Telefone: +55 (85) 3013-5797
Endereço: Rua B, 17 – Eng Luciano
Cavalcante | Fortaleza-CE
CEP: 60.810-670

Copyright © 2020 Fortaleza Cidade Amiga
do Idoso. Todos os Direitos Reservados.

Seja um apoiador

Saiba mais sobre os benefícios
de ser um dos Apoiadores do
Fundo Municipal dos Direitos
da Pessoa Idosa – FMDPI.
Clique no link abaixo
para saber mais.

Contato

E-mail:
[email protected]
Telefone: +55 (85) 3013-5797
Endereço: Rua B, 17 – Eng Luciano
Cavalcante | Fortaleza-CE
CEP: 60.810-670

Seja um apoiador

Saiba mais sobre os benefícios
de ser um dos Apoiadores do
Fundo Municipal dos Direitos
da Pessoa Idosa – FMDPI.
Clique no link abaixo
para saber mais.

Links

Siga-nos

Realização

parceiros

Copyright © 2020 Fortaleza Cidade Amiga do Idoso. Todos os Direitos Reservados.

This will close in 0 seconds