Por Ana Clara Jovino 26.03.2021

  • Ouça este conteúdo

     

    Não é nenhuma novidade que os idosos são mais suscetíveis a contrair e a ter complicações do novo coronavírus. Desde o início da pandemia, vem sendo divulgado sobre a importância do cuidado redobrado com as pessoas com mais de 60 anos, pois com o sistema imunológico menos eficiente e os pulmões mais frágeis, o grupo tem uma maior chance de evoluir com doença mais grave.

    De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as chances de letalidade para idosos de 60 a 69 anos são de 3,6%. Já idosos com idade entre 70 e 79 anos, as chances aumentam para 7% e idosos acima de 80 anos, o risco cresce ainda mais, para 14,8%.

    Mesmo assim, felizmente muitos idosos se recuperam da doença e voltam para casa e para suas atividades rotineiras. Porém, com algum tipo de sequela. A Covid-19 deixa nos idosos consequências que vão desde alterações físicas a psicológicas.

    Jarbas de Sá Roriz Filho é médico especialista em Geriatria, Doutor em ciências médicas e professor do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da UFC

    O Portal Fortaleza Cidade Amiga do Idoso conversou com o médico especialista em Geriatria, Jarbas de Sá Roriz Filho. Doutor em ciências médicas e professor do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da UFC, ele explica quais os impactos da Covid-19 em idosos.

    De acordo com o médico, as maiores consequências da doença são a sarcopenia, que é a perda acentuada de massa muscular, durante o período de infecção, além do comprometimento pulmonar, que pode levar a menor tolerância a atividades e contribuir para instalação de quadro de fadiga crônica, e o declínio cognitivo de graus variados e sonolência após a infecção.

    Quanto mais avançada a idade do paciente e debilitado o organismo, a propensão a sequelas da infecção é maior. “A idade avançada está associada a maior ocorrência de síndrome de fragilidade na população idosa. Quanto maior o grau de fragilidade maior a propensão tanto a óbito pela infecção como a ocorrência de maiores sequelas na pós-infecção”, enfatiza Dr. Jarbas.

    O médico ainda explica que a grande maioria dos idosos infectados desenvolvem a chamada síndrome pós-Covid. “Após o Covid é comum descompensação de doenças crônicas preexistentes, seja pela infecção diretamente ou por efeitos adversos de medicações utilizadas no tratamento. Os pacientes após a Covid têm maior propensão a ocorrência de eventos trombóticos devido a existência comum de fatores de risco de complicações trombóticas nessa população”, explica.

    Os idosos que foram infectados pelo coronavírus e se recuperaram devem começar uma reabilitação multidisciplinar. O médico recomenda, para a recuperação motora e respiratória, a manutenção de fisioterapia. Também é de suma importância intervenções nutricionais, cuidados de enfermagem, de fonoterapia, de terapia ocupacional e suporte psicológico.

MATÉRIAS RELACIONADAS

logo

Contato

E-mail:
[email protected]
Telefone: +55 (85) 3013-5797
Endereço: Rua B, 17 – Eng Luciano
Cavalcante | Fortaleza-CE
CEP: 60.810-670

Copyright © 2020 Fortaleza Cidade Amiga
do Idoso. Todos os Direitos Reservados.

Seja um apoiador

Saiba mais sobre os benefícios
de ser um dos Apoiadores do
Fundo Municipal dos Direitos
da Pessoa Idosa – FMDPI.
Clique no link abaixo
para saber mais.

Contato

E-mail:
[email protected]
Telefone: +55 (85) 3013-5797
Endereço: Rua B, 17 – Eng Luciano
Cavalcante | Fortaleza-CE
CEP: 60.810-670

Seja um apoiador

Saiba mais sobre os benefícios
de ser um dos Apoiadores do
Fundo Municipal dos Direitos
da Pessoa Idosa – FMDPI.
Clique no link abaixo
para saber mais.

Links

Siga-nos

Realização

parceiros

Copyright © 2020 Fortaleza Cidade Amiga do Idoso. Todos os Direitos Reservados.

This will close in 0 seconds