Encontro de gerações no podcast As Cunhãs oferece uma análise política completa e feminina

Categorias

Compartilhar

Por Ana Clara Jovino 16.11.2020

O ano de 2020 foi marcante por muitos motivos, um deles é porque foi ano eleitoral e foi decidido nas urnas eletrônicas, em novembro, os prefeitos e vereadores que estarão no poder pelos próximos quatro anos em todo o Brasil.

No Ceará, toda a disputa eleitoral e cenário político, em Fortaleza e no interior, pôde ser acompanhado não somente pela cobertura jornalística da imprensa tradicional, mas também pelo podcast As Cunhãs, projeto das jornalistas Inês Aparecida, Kamila Fernandes e Hébely Rebouças.

Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é. Não tem uma hora certa para ir ao ar, nem você precisa sintonizar em uma rádio para ouvir, fica disponível para ser escutado quando e onde você quiser, é só “achar” nas plataformas digitais.

É com esse formato de conteúdo que as três jornalistas fazem uma análise profunda, crítica e lúcida da política local, sempre acompanhada do típico bom humor cearense.

Quem teve a ideia do podcast foi Kamila, já na pandemia, em pleno isolamento social rígido. “Estava sentindo falta de uma cobertura política mais diversa, mais plural, que não fosse tão baseada em declaratórios, que a gente pudesse fazer uma reflexão mais bem feita, mais crítica e bem humorada”, explica a jornalista.

Hébely revela que o projeto reafirma o papel da mulher na cobertura política. “A política é ocupada majoritariamente por homens. A gente queria trazer a voz da mulher, para reafirmar esse espaço que já existe”.

O encontro de gerações, de acordo com elas, não foi proposital, mas acaba sendo muito positivo para a dinâmica do programa, pois enriquece o conteúdo trazendo diversidade, vivências e contextualizações diferentes.

Inês explica que ser jornalista, sem dúvida, favorece e faz com que ela se mantenha conectada e sempre acompanhe as novas tecnologias, mas ressalta que nunca vai deixar de ser jornalista, porque tem paixão pelas notícias, o que move a profissão.

“Vejo colegas da minha geração que se afastaram totalmente das atividades, por conta de aposentadoria, e se ‘aposentaram’, também,  daquela paixão por notícia, que move a profissão de  jornalista. Sou ‘viciada’ em notícia e o podcast As Cunhãs, confesso, me  proporciona alimentar o vício”, enfatiza Inês.

Você pode conferir o podcast As Cunhãs nas plataformas de áudio.

Inês Aparecida participou do programa Fortaleza 6.0, no sábado, dia 14 de novembro. Confira a entrevista completa: